Este é um problema comum nesta idade e é responsável por um grande número de internações e às vezes de tratamento em sala de emergência.
Os sintomas de asma são: chiado no peito, falta de ar, tosse persistente geralmente com secreção clara. No entanto, nem todo bebê que chia tem asma! É preciso investigar outras causas de chiado nesta idade e se a criança tem tendência (fatores de risco) para ter asma no futuro.

Os principais indicadores de que o bebê pode persistir com os sintomas de asma são:
· Pais que fumam em casa
· Mãe que fumou durante a gravidez
· Pais com passado de asma
· Criança com dermatite atópica tem risco maior de ter asma
· Internação por bronquiolite ou crise grave de chiado
· Pelo menos 3 crises de chiado nos primeiros 6 meses de vida
· Exposição precoce aos alérgenos, como poeira domiciliar, ácaros da poeira, mofo, animais domésticos, aumenta o risco da criança se tornar alérgica.

 

Diagnóstico:
Além da história clínica e do exame físico, os principais exames que ajudam no diagnóstico são:
· Hemograma
· Radiografia do tórax
· Teste alérgico quando há história de alergia (Cutâneo ou pelo sangue – RAST)
· Exames para avaliar refluxo (EED ou pHmetria)
· Imunoglobulinas
· Cloro no suor

O diagnóstico nem sempre é fácil, os sintomas devem ser pesquisados detalhadamente e será com o passar do tempo, com o crescimento da criança que se poderá ter certeza do diagnóstico de asma.

Diagnóstico diferencial:
Outras causas de chiado no lactente são:
· Refluxo gastroesofágico é muito comum nesta idade. A criança não mama corretamente, regurgita muito, pode ter vômitos, tosse com muita secreção e piora geralmente quando deita. O exame ideal para o diagnóstico é a pHmetria, mas pode ser feita também uma radiografia com contraste.
· Resfriados causados por vírus são uma das principais causa de chiado nessa idade e nem sempre levam a asma no futuro!
· Presença de corpo estranho também pode causar chiado e falta de ar.
· Outras causas muito raras são os defeitos genéticos pulmonares, da traquéia e do coração.
· Falha das defesas do organismo como na AIDS, fibrose cística, micoses pulmonares e tuberculose também levam a crises de chiado com falta de ar, febre, emagrecimento geralmente com secreção escura.

Tratamento:
O tratamento deve ser feito preferencialmente com especialista.
A primeira parte é evitar tudo o que causa a crise ou piora o chiado como pó, ácaros, mofo pêlos de animais, perfumes, fumaça de cigarro e de poluição, produtos de limpeza, tinta, cloro. O quarto deve ser limpo e arejado, sem tapetes, carpetes, cortinas, bichos de pelúcia e tudo que possa acumular poeira!
Os medicamentos são muitos e devem ser usados na dose certa e no tempo certo para se evitar efeitos colaterais:
· Broncodilatadores: indicados somente durante a crise de chiado! Os medicamentos dados durante a nebulização fazem efeito mais rápido e são mais seguros que os xaropes. Efeitos indesejados, mas esperados são tremores e aceleração do coração.
· Anticolinérgicos: dados na nebulização, ajudam a diminuir a secreção.
· Antileucotrienos: fáceis de administrar uma vez ao dia na forma de comprimidos mastigáveis ou pó para ingestão oral, podem ser utilizados a partir dos 6 meses de vida.
· Antiinflamatórios inalados: são úteis para prevenir as crises de chiado! Precisam ser usados diariamente mesmo quando a criança está bem, para que o pulmão se mantenha sem inflamação. Utilizados nas crianças que tem crise freqüentes, semanais! Os corticóides encontram-se neste grupo e são muito eficazes, porém em idades muito baixas (menores de 6 meses) seu uso pode trazer complicações no crescimento. Nas outras crianças são muito eficazes e seguros devem ser dados na nebulização ou com espaçador. A técnica correta deve ser orientada pelo seu médico para que a droga atinja adequadamente o pulmão e tenha o efeito esperado.
· Corticóides orais e injetáveis: úteis somente nas crises graves, pois podem causar problemas se usados por longos períodos.

A prevenção da asma no lactente consiste em evitar tudo que possa sensibilizar a criança ou seja , o fumo em casa e os alérgenos do ambiente doméstico devem ser controlados! A amamentação exclusiva até os 6 meses de idade também ajuda na prevenção da asma.

Fonte: adaptado da ASBAI